Siga o Blog do Oracy

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Diretor de Tropa de Elite 2 diz como transformou policiais em atores e atores em policiais



Confira os bastidores de um dos filmes mais esperados do ano

Como se transforma policiais em atores e atores profissionais em policiais quase verdadeiros? Como inserir elementos reais como o caveirão e seu motorista e o helicóptero da polícia na narrativa de ficção? A vida real no filme "Tropa de Elite 2" está em pauta na semana da volta do Capitão Nascimento à tela grande. A repórter Bianca Ramoneda mergulhou no mundo do cinema e foi saber do diretor José Padilha o ele fez para trabalhar com o máximo de realismo neste novo longa metragem. Ela ouviu ainda o ator Sandro Rocha, o chefão da milícia no filme, e o policial civil Bruno D'elia.

A obra contou com a ajuda preciosa de Fátima Toledo, uma artista do movimento, na preparação de atores. Fátima explica como trabalhou com o elenco utilizando técnicas muito especiais para deixá-los aptos a enfrentar uma série de desafios.

Voz impressionante de uma menina de 11 anos

Nunca desista de seus sonhos - Dê o seu melhor



Nunca deixe alguém dizer que você não vai conseguir.

Sexo selvagem



Lula Vieira

Será que eu já contei esta história? Juro, mas de vez em quando não me lembro do que eu já escrevi. São dois anos de coluna, muito mais de cem histórias diferentes. Aliás, eu acho que só duas pessoas guardam na memória tudo que saiu publicado. Um cara que de vez em quando manda e-mail me esculhambando quando eu repito qualquer coisa é o Paulo Gontijo, que deve ter parentesco com elefante viciado em ginco-biloba. Então, com as devidas desculpas pela memória de merda, vou falar de minha maravilhosa viagem ao Amazonas.
Vai daí que nós fomos filmar em São Gabriel da Cachoeira. E, logo ao chegar, os índios roubaram a roupa do diretor, Fred Naban, na certa confundindo com alguma veste sagrada, já que o Fred se veste um tanto espalhafatosamente.
Pois foi em São Gabriel da Cachoeira, fronteira com a Venezuela, que o Fred, um cara de hábitos sofisticados e consumidor de grifes internacionais, saiu em busca de uma casa de roupas para comprar uma camisa. No armarinho local, que vendia fumo, cachaça, penico, remédio para bicheira e roupas da mais fina procedência, o Fred resolveu experimentar os modelos do enorme estoque da loja. Nem o Mauro Campos na loja da Armani em Nova York escolheu com tanto cuidado.
Das duas que tinha, ele levou todas. Uma era mais bonita que a outra. Belíssimas combinações de figuras geométricas sobre fundo roxo, azul-celeste e vermelho.
Foi só o Fred Naban surgir com aquela indumentária de Clóvis Bornay interpretando “Catedral Submersa” para a tribo inteira sair das ocas. Veio toda a hierarquia Ianomâmi ver homem branco fantasiado de arara.
A produtora do filme, que de shortinho e camisa amarrada abaixo dos seios fartos olhava o tacape dos silvícolas com cara de quem sempre sonhou com uma vida mais próxima à natureza, não se cansava de explicar ao Fred que estava comovida com a simplicidade daqueles índios tão selvagens, tão naturais, tão puros, encantados como crianças diante da explosão colorida.
O Fred, que jamais gostou da vida natural, achava aquilo tudo uma merda, embora olhasse com respeito o outro tacape dos índios (o de madeira).
Estavam as duas civilizações numa comovente tentativa de se comunicar, vencendo séculos de diferença cultural, quando um dos índios propôs: “Troca camisa por câmera VHS na embalagem, já transcodificada para PAL-M?”.
Mais tarde, sentados à margem do Rio Negro, eu e o cacique estávamos tomando manguaça e falando da Bolsa de Nova York e da desvalorização do cruzeiro diante do dólar, quando o papo derivou para mulheres. Como sempre.
Sábio como todo cacique, o Leão das Pradarias ou coisa que o valha confessou:
“Eu gosto é de mulher branca. Mulher branca mexe mais. Índia fica parada.”
Papo vai, papo vem, abrimos uma garrafa de batida de açaí que o morubixaba tinha escondido atrás do gerador, e depois do gole pro santo recebi minha definitiva consagração como antropólogo, ouvindo um segredo milenar dos primitivos donos da terra. O velho cacique olhou o sol no horizonte, balançou a cabeça e concluiu: “Índia não chupa”.

Repórter percorre galeria que pode ter sido usada por traficantes em fuga

Horas e horas em frente ao PC? Veja como evitar problemas de saúde

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Cerveja é história, civilização e Macumba



Quem sabia das coisas mesmo era Hammurabi, o rei da Babilônia, que viveu em mil setecentos e cacetadas antes de Cristo e Oscar Niemeyer. Ao elaborar um rigoroso código de leis, o Mumu da Babilônia criou uma cacetada de regras sobre um tema de grande relevância para o homem universal - o consumo da cerveja.

Saibam os senhores que o Código de Hammurabi estabelecia, como dever público, a obrigatoriedade do fornecimento diário de cerveja ao povo. Um trabalhador braçal receberia do Estado a cota básica de 2 litros por dia; um funcionário público, 3 litros; os sacerdotes e administradores, 5 litros para o consumo mínimo diário. O Estado se comprometia com o fornecimento dessas modestas cotas. O resto era por conta da sede do cidadão.

Hammurabi também elaborou regras para punir os produtores de cerveja de baixa qualidade. A pena aos responsáveis pela produção da má cerveja era simples e de grande sensibilidade diante do momentoso tema: morte por afogamento.

Já no Egito quem entendia do babado era o faraó Ramsés III, mais conhecido como o cervejeiro. O homem era um copo da maior categoria. Basta dizer que em certa ocasião, ao resolver dar um presentinho aos sacerdotes do Templo de Amón, doou aos cabras 466 mil e tantas ânforas de cerveja provenientes de sua cervejaria particular, pedindo escusas pela modéstia da quantidade ofertada. Isso dá aproximadamente 1.000.000 [um mihão] de litros da bebida. É mole?

Os gregos e romanos, meio afrescalhados e chegados numa viadagem entre filósofos, artistas e rapazolas, preferiam o vinho. A velha cerva, entretanto, continuou sendo a bebida predileta de povos dominados pelos romanos, como os gauleses e germânicos. A elite de Roma achava que cerveja era bebida de bárbaros incultos. Tácito, uma bicha louca, ao descrever os germanos mencionou a cerveja como a bebida horrorosa fermentada de cevada ou trigo.

Entre o povo da curimba, o meu povo, a cerveja é fundamental. Ogum, meu pai, é chegado numa cerveja. Quem quiser agradar ao guerreiro pode colocar uma cervejinha na mata, no caminho ou numa estrada de ferro. Xangô gosta mais de uma cerveja preta - que pode ser colocada numa pedreira ou ao lado de um dendezeiro. Exu gosta de qualquer coisa que tenha álcool - basta colocar a água que o passarinho não bebe na esquina, saudar o compadre e o dia tá garantido.

Sempre me recordo, durante epifanias etílicas, da frase proferida em certa ocasião pelo escritor e meu camarada Alberto Mussa. Em pleno Al-Farábi, o templo cervejeiro da Rua do Rosário, Mussa garantiu que a criação da cerveja é um feito civilizacional no mínimo similar à criação do livro. Maurício, o taberneiro maldito que nos entope de geladas das mais variadas no Alfa, chorou ao ouvir a sentença.

Cada vez entendo mais  por que é que o Kalevala - a magnífica epopéia nacional da Finlândia, que conta as façanhas do bardo Vainamoinem e do ferreiro Ilmarinen, heróis do povo - tem mais recitativos sobre a origem da cerveja do que sobre a origem do homem. É que sabiam das coisas, aqueles cabras valentes do fim da terra.

É com reverência, enfim, que dedico esse arrazoado aos meus amigos de copo. O homem justo bebe cerveja como quem reza, reza com o fervor amoroso de quem toma umas geladas com os do peito no boteco da esquina e sabe que ninguém faz amizades tomando leite em balcão de padaria.
Fontes: Por email do amigo Zé Carlos e extraído de http://hisbrasileiras.blogspot.com/

Conheça Nova Friburgo - Rio de Janeiro

Cientistas revertem envelhecimento



Vida imita a arte: como no filme O Curioso Caso de Benjamin Button, em que homem nasce velho e rejuvenesce, cientistas conseguem reverter o envelhecimento em ratos

SÃO PAULO - Cientistas da Universidade de Harvard (Dana-Farber Cancer Institute) conseguiram pela primeira vez reverter parcialmente a degeneração associada à idade em ratos.
Como resultado, os animais apresentaram crescimento de tecido no cérebro e testículos, além de melhora na fertilidade e retorno das funções cognitivas.
O trabalho, publicado na Nature, foi liderado por Ronald A. DePinho, professor de genética da instituição.
Como na história de F. Scott Fitzgerald, o Curioso caso de Benjamim Button, ratos envelhecidos começaram a rejuvenescer – mas, ao contrário do conto da ficção levado aos cinemas com Brad Pitt no papel principal, o fenômeno contou com a ajuda  da ciência.
O professor DePinho e sua equipe conseguiram o feito ao criar ratos com um gene especial que permitia controlar a enzima telomerase, responsável por manter as “capas” protetoras, chamadas telômeros, na ponta dos cromossomos.
Conforme envelhecemos, os níveis de telomerase caem. Há tempo pesquisadores sabem que essa queda está associada com a erosão progressiva dos telômeros, o que pode contribuir para a degeneração do tecido e declínio de funções.
Criando ratos com um “interruptor” de telomerase, os pesquisadores conseguiram envelhecer prematuramente alguns animais e, da mesma forma, reativar a enzima para testa se seria possível também rejuvenescer os animais. As condições observadas com o envelhecimento precoce forma testículos reduzidos, ausência de esperma, baço atrofiado, intestino danificado, encolhimento do cérebro e incapacidade de desenvolver novas células cerebrais.
Via  Loiane Groner e InfoAbril

Cena memorável do filme "Um domingo qualquer" com Al Pacino



O video mostra uma cena do filme “Um domingo qualquer”, onde Al Pacino dá um show em como motivar uma equipe e mostra a essência do espírito empreendedor, a luta de todo o dia para crescer.
Aproveitem a mensagem (e a ótima atuação do Al Pacino)!
Via saiadolugar

domingo, 28 de novembro de 2010

Conheça a Universidade de Harvard, considerada a melhor do mundo.

Veja como é a dura rotina dos estudantes

O repórter Rodrigo Alvarez mostra Harvard por dentro.
Saiba o que é preciso para ser admitido lá. E como é a dura rotina de estudos.



Humor na Caneca com Nelson Freitas

Beto Hora faz imitações no Programa do Jô




O humorista Beto Hora faz imitações no programa de rádio “Na Geral”. Em dois blocos de entrevista, ele falou de sua carreira e imitou Cid Moreira, Wanderley Luxemburgo, Muricy, Francisco Cuoco (no número “aula de interpretação”), Ariano Suassuna, Adoniran Barbosa (cantando “Trem das onze”), Pelé, Tim Maia, José Wilker, padre Quevedo, Bolinha, Fausto Silva e encerrou a entrevista imitando Ray Charles cantando “Yesterday”.

Como acelerar o Firefox 3 / How to accelerate Firefox 3

sábado, 27 de novembro de 2010

CRÍTICA DE ARIANO SUASSUNA SOBRE O FORRÓ ATUAL



'Tem rapariga aí? Se tem, levante a mão!'. A maioria, as moças, levanta a mão. Diante de uma platéia de milhares de pessoas, quase todas muito jovens, pelo menos um terço de adolescentes, o vocalista da banda que se diz de forró utiliza uma de suas palavras prediletas (dele só não, e todas bandas do gênero). As outras são 'gaia', 'cabaré', e bebida em geral, com ênfase na cachaça. Esta cena aconteceu no ano passado, numa das cidades de destaque do agreste (mas se repete em qualquer uma onde estas bandas se apresentam). Nos anos 70, e provavelmente ainda nos anos 80, o vocalista teria dificuldades em deixar a cidade.

Pra uma matéria que escrevi no São João passado baixei algumas músicas bem representativas destas bandas. Não vou nem citar letras, porque este jornal é visto por leitores virtuais de família. Mas me arrisco a dizer alguns títulos, vamos lá: Calcinha no chão (Caviar com Rapadura), Zé Priquito (Duquinha), Fiel à putaria (Felipão Forró Moral), Chefe do puteiro (Aviões do forró), Mulher roleira (Saia Rodada), Mulher roleira a resposta (Forró Real), Chico Rola (Bonde do Forró), Banho de língua (Solteirões do Forró), Vou dá-lhe de cano de ferro (Forró Chacal), Dinheiro na mão, calcinha no chão (Saia Rodada), Sou viciado em putaria (Ferro na Boneca), Abre as pernas e dê uma sentadinha (Gaviões do forró), Tapa na cara, puxão no cabelo (Swing do forró). Esta é uma pequeníssima lista do repertório das bandas.

Porém o culpado desta 'desculhambação' não é culpa exatamente das bandas, ou dos empresários que as financiam, já que na grande parte delas, cantores, músicos e bailarinos são meros empregados do cara que investe no grupo. O buraco é mais embaixo. E aí faço um paralelo com o turbo folk, um subgênero musical que surgiu na antiga Iugoslávia, quando o país estava esfacelando-se. Dilacerado por guerras étnicas, em pleno governo do tresloucado Slobodan Milosevic surgiu o turbo folk, mistura de pop, com música regional sérvia e oriental. As estrelas da turbo folk vestiam-se como se vestem as vocalistas das bandas de 'forró', parafraseando Luiz Gonzaga, as blusas terminavam muito cedo, as saias e shortes começavam muito tarde. Numa entrevista ao jornal inglês The Guardian, o diretor do Centro de Estudos alternativos de Belgrado. Milan Nikolic, afirmou, em 2003, que o regime Milosevic incentivou uma música que destruiu o bom-gosto e relevou o primitivismo estético. Pior, o glamour, a facilidade estética, pegou em cheio uma juventude que perdeu a crença nos políticos, nos valores morais de uma sociedade dominada pela máfia, que, por sua vez, dominava o governo.

Aqui o que se autodenomina 'forró estilizado' continua de vento em popa. Tomou o lugar do forró autêntico nos principais arraiais juninos do Nordeste. Sem falso moralismo, nem elitismo, um fenômeno lamentável, e merecedor de maior atenção. Quando um vocalista de uma banda de música popular, em plena praça pública, de uma grande cidade, com presença de autoridades competentes (e suas respectivas patroas) pergunta se tem 'rapariga na platéia', alguma coisa está fora de ordem. Quando canta uma canção (canção?!!!) que tem como tema uma transa de uma moça com dois rapazes (ao mesmo tempo), e o refrão é 'É vou dá-lhe de cano de ferro/e toma cano de ferro!', alguma coisa está muito doente. Sem esquecer que uma juventude cuja cabeça é feita por tal tipo de música é a que vai tomar as rédeas do poder daqui a alguns poucos anos.


Ariano Suassuna

Conheça Barra do Garças, Mato Grosso do Sul

"Atualize automaticamente as páginas do Mozilla Firefox com este prático complemento."



O ReloadEvery é um complemento para o Firefox que permite configurar um ciclo de atualizações automático para as páginas abertas pelo navegador. Dessa forma, é possível acompanhar rapidamente sites que possuem atualizações constantes, que não se dão de forma automática.
Um exemplo de página que se beneficia da utilização do ReloadEvery são os fóruns de Internet. Acompanhar uma discussão interessante exige que fiquemos atualizando constantemente a página em que ela se desenrola, para que possamos ver quando um novo comentário é postado.
Outro exemplo são sites que colocam os resultados da rodada esportiva, cuja atualização automática muitas vezes demora para ser recarregada automaticamente pelo navegador. Sites de notícias atualizados em tempo real também podem ter um uso mais dinâmico ao se programar uma frequência maior de atualização da página principal.
Para configurar um ciclo de atualização, basta instalar o complemento e depois reiniciar o Mozilla Firefox. Em seguida, basta localizar a aba com a página que você deseja recarregar automaticamente e clicar com o botão de contexto do mouse (normalmente o direito) em um local qualquer da tela. Depois, selecione a opção “Atualizar em” e escolha qual a frequência de atualização desejada, e se ela deve ser utilizada em todas as abas abertas.
O ReloadEvery é um complemento útil principalmente para quem acompanha sites atualizados constantemente, mas que não recarregam automaticamente a página exibida ao usuário. Recomendado principalmente para quem freqüenta foruns de internet e está cansado de ter que ficar atualizando páginas manualmente para ver novas respostas inseridas em uma discussão.
Link para baixar: http://www.baixaki.com.br/download/reloadevery.htm
Via Baixaki

Aprenda a melhorar a segurança de suas senhas



Confira algumas dicas para melhorar suas senhas e garantir sua segurança virtual

Você já se perguntou se as suas senhas na internet são realmente seguras? Os especialistas dizem que uma falha recorrente é criar palavras básicas como 123mudar, 123456, data de nascimento e nomes pessoais. Se você é uma dessas pessoas, então é melhor prestar atenção nas dicas que separamos para que você não caia em armadilhas de criminosos virtuais."A senha deve, normalmente, ter no mínimo 14 caracteres e deve mesclar uma sequência de caracteres entre letras, caixa alta e caixa baixa (maiúscula e minúscula), números e caracteres especiais. Com essas medidas, nós dificultamos muito a atuação dos crackers e daqueles que conseguem quebrar senhas", sugere o especialista em Segurança Digital, José Milagre.

Quer saber se a sua senha é segura? Este site aqui é um dos mais legais. Ao digitar alguma palavra neste campo, o serviço automaticamente indica o que precisa ser melhorado na sua escolha. Ou seja, ele sugere colocar letras maiúsculas, minúsculas, ou intercalar com números e caracteres especiais. Este outro site gera uma senha de acordo com o que o usuário seleciona. Dá para escolher a quantidade de caracteres, optar pelo alfabeto e numerais completos. Aí é só clicar em “gerar password” e pronto!
É bom também ficar ligado por onde você navega na web. Servidores com pouca segurança podem ser a porta de entrada para um ataque coletivo e quebra de senhas. Os crackers estão cada vez mais munidos de ferramentas para aplicar golpes em ambientes vulneráveis. Para se ter uma ideia da facilidade, em uma simulação que fizemos, conseguimos descobrir diversas senhas em poucos segundos.
"Nós temos que ter em mente que hoje nós temos algumas técnicas de password guessing, ou seja, de quebrar senhas. A técnica mais comum, mais conhecida, é o Brutal Force, ou seja, o ataque de força bruta. Eu submeto aquele arquivo de senha a uma sequência imensa de caracteres e dados até que a senha seja quebrada. Esse é mais lento, mas hoje em dia há o ataque de dicionário, no qual eu tenho uma lista de palavras comumente previstas no dicionário e eu também submeto àquele arquivo. Sempre que você utilizar uma senha cuja composição da senha tenha uma palavra que está prevista no dicionário, as chances dela ser quebrada são muito grandes. Eu tenho também o ataque híbrido, que mescla o brutal com o dicionário. E hoje em dia está evoluindo para o ataque Rainbow Table, que é um ataque que pega o hash, ou seja, pega a senha cifrada e submete aquele hash a um banco de dados com diversos hashs e lá ele traça comparações até identificar que aquele hash corresponde a uma senha", pontua o especialista.

Outra dica essencial é não cair no comodismo. Crie o hábito de modificar suas principais senhas a cada 30 dias. Pode parecer exagero, mas dessa forma a chance de você sofrer algum tipo de invasão se torna bem menor. Além disso, nunca revele sua palavra secreta em e-mails ou anotações em post-its.
Quer conferir outros sites que dão dicas de como deixar a sua senha segura? Preparamos uma lista com vários. Acesse agora os links acima e veja as ferramentas que separamos!

Link para a matéria: http://olhardigital.uol.com.br//jovem/central_de_videos/aprenda-a-melhorar-a-seguranca-de-suas-senhas/10903/integra

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Ação Bar Aurora e Boteco Ferraz



Ação para conscientizar os freqüentadores dos bares Aurora e Bar Ferraz em São Paulo.


Uma das melhores ações de marketing. 


Região dos Três Lagos tem águas cristalinas e atrai mergulhadores

 

 

Três Lagos, em Goiás

O primeiro destino é o lago de Vila Propício. Saindo de Goiânia, siga pelas BRs 060 e 414 até a GO 230. São 185 quilômetros de Goiânia até lá.
O lago fica numa área de camping, é pequeno, mas atrai por causa das águas transparentes. A água do lago é tão cristalina que é possível ver o mergulhador a 7 metros de profundidade.

Amadores mergulham com um instrutor. Dá pra ver tudo: o verde da vegetação, os peixinhos coloridos e, mais no fundo, a gruta onde fica a nascente do lago. “A água é muito limpa, ideal local pra quem está começando a mergulhar”, garante Oscar Catoira, instrutor de mergulho.

Nosso segundo destino é o Lago Azul, na cidade de Mara Rosa. O município tem só um hotel, mas já é ponto de encontro de mergulhadores.

O que mais impressiona é a cor da água, de um azul intenso, e a explicação está na riqueza de magnésio que existe na composição da água.

Uma mineradora ocupava a área onde hoje está o lago. A brincadeira é procurar vestígios da mineradora nas águas. Encontramos carros, bicicletas, um paredão com as marcações feitas durante a exploração de ouro e até um oratório colocado por mergulhadores.

O carro está de cabeça pra baixo. A brincadeira é para ver quem consegue entrar. Aliás, brincadeira é o que não falta.
O Lago das Brisas em Buriti Alegre é nosso último destino. Os hotéis da cidade têm área de lazer, quartos de frente para o lago e até pista de pouso.
Para mergulhar, a melhor opção é alugar um flutuante, a embarcação que tem capacidade para até 35 pessoas.
O Lago das Brisas surgiu com construção de uma hidrelétrica. Debaixo da água a sensação é de flutuar sobre uma floresta morta. Em alguns pontos a visibilidade é bem pequena. “Fantástica, a sensação de liberdade em baixo d’água é muito gratificante, é muito gostoso”, diz Leonardo Carneiro Neto, dentista.

 

Conheça alguns tradutores que ensinam até a pronúncia correta em outras línguas



Além de traduzir textos, alguns sites gratuitos possuem sintetizadores de voz que te mostram como pronunciar palavras em idiomas estrangeiros. Confira!

Mesmo quem é fera em outro idioma, volta e meia aparecem palavras novas ou nunca ouvidas antes. Ou, de repente, você pode precisar se comunicar numa língua totalmente desconhecida.

Muitos sites oferecem ferramentas que ajudam na tradução de textos e páginas web. E também tem vários que disponibilizam a pronúncia de cada tradução. A maioria desses sites permite ao usuário ouvir a pronúncia correta da palavra ou texto traduzido em até 27 idiomas, incluindo o português do Brasil.

Claro que, com uma voz sintetizada, a qualidade do áudio nem sempre é satisfatória, mas se não ajudar muito, vale a diversão.

O funcionamento costuma ser bem super simples: no ParaLink Translator, por exemplo, você escreve a palavra em português no primeiro dos campos, em seguida escolhe o idioma que quiser e clica nesse botão Translate. No segundo quadro a tradução vai aparecer e o personagem virtual te dará a pronúncia.

Quer descobrir como se diz uma frase nova em algum idioma completamente desconhecido?

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Veículo Leve sobre Trilhos livrou 20 cidades francesas do colapso no trânsito



No Brasil, o sistema foi implantado de forma pioneira no estado Ceará. Veja o segundo programa do Especial Ferrovias

Joana Calmon mostra, direto de Paris, como o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) livrou pelo menos 20 cidades francesas do colapso no trânsito. O VLT tem 44 metros e capacidade para mais de 300 pessoas, três vezes mais do que comporta um ônibus. Conheça as vantagens desse sistema, que foi implantado de forma pioneira no Brasil ligando duas cidades do Ceará, no sertão do Cariri.

Guerra do tráfico - Criminoso é baleado ao tentar escapar em estrada de terra


  
Internauta grava tiroteio do terraço de casa na Penha, no Rio

Renato Cinco fala sobre a criminalização da pobreza

O Cidadão carioca canta: O Corcovado

 
Aos usuários de drogas da minha cidade, eu pergunto: diante do caos que os seus fornecedores estão impondo à nossa cidade, como fica a consciência de vocês????

TweetDeck - Dicas, Configuração e Como usar...

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Palestra Motivacional - Felipão, ex técnico da seleção brasileira de futebol

Rio Amazonas e Rio Solimões, o encontro das águas



Sueco Freddie Larsson faz clipes com canções de desenhos, games e seriados

O sueco Fredrik Larsson começou a tocar e gravar em vídeo “clássicos” conhecidos por jovens de 25 a 30 anos e anda fazendo sucesso no Youtube. Seu último sucesso foi uma compilação de quase 30 músicas tema de desenhos animados que foram sucesso nos anos 1980 e início dos anos 1990. Ele toca todas de uma vez – Thundercats, Ursinho Puff e Inspetor Bugiganga, só para citar alguns – e ainda impõe um pouco de seu estilo indie às canções.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Vídeo Motivacional - Bernardinho, técnico da seleção de vôlei

Conheça o belo Delta do Parnaíba no Piauí




Mostra as belezas do Delta do Parnaíba.

Olhando do alto, o encontro do rio Parnaíba com o Oceano Atlântico parece um quebra-cabeça gigante, onde cada uma das 85 ilhas é uma das pecinhas. Este é o Delta do Parnaíba. O nome é uma referência a letra grega que lembra o formato da foz do rio.

O Delta do Parnaíba é o único das Américas em mar aberto. Igual a esse você só vai encontrar na foz do rio Nilo, na África, ou na foz do rio Mekong, na Ásia", explica Moraes Brito, guia turístico.

A região é aberta aos turistas, mas para chegar lá, só mesmo com guias. Os passeios são combinados no Porto das Barcas, ainda na cidade de Parnaíba, a 320 quilômetros da capital, Teresina.

Até a entrada para o Delta em Porto dos Tatus, município de Ilha Grande, o visitante vai de carro. Depois são duas opções: em grandes grupos de barco ou de lancha. A viagem segue pelo rio Parnaíba, o segundo maior do nordeste.

Em um determinado ponto, troca a lancha pela canoa. A embarcação menor permite que o turista entre nos manguezais e tenha um contato mais próximo com a natureza.

No caminho, uma cobra cipó, o pica-pau do mato e um grupo de macacos-guaribas. Os bichos dividem espaço com o catador de caranguejo que usa a lama do mangue como repelente natural.

"Aqui, por semana, a gente chega a capturar 40 mil cordas de caranguejo. Cada corda tem quatro unidades", diz Antônio Santos, pescador.

São duas horas de passeio entre o porto até a foz do rio Parnaíba. A Ilha dos Poldros fica na divisa do Piauí com o Maranhão. O rio e o mar se encontram e parecem divididos por uma linha natural.

O almoço é na embarcação e o prato principal é peixe. "Robalo, pescado aqui mesmo na foz do rio Parnaíba, é um peixe típico. Além do robalo nós temos também, em abundancia a pescada amarela", conta Luciano Oliveira, guia turístico.

Quem quiser ficar mais de um dia tem a opção de pequenas pousadas na região. A diária custa em média R$ 100.

Na hora de ir embora o barco para e o turista se despede do Delta com uma caminhada pelas dunas de quase quarenta metros de altura.

Eike Batista fala sobre educação dos filhos

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

"Hoje temos mais prazeres que nossos ancestrais", diz psicólogo Paul Bloom



Uma nova ciência desvenda os mistérios do prazer

Não devemos confundir prazer com felicidade, nos garante o psicólogo Paul Bloom da Universidade Yale. A nova ciência que estuda o prazer se chama "essencialismo". Desvenda os mistérios do prazer e nos informa porque gostamos do que gostamos. E é quase esse o título do livro mais recente do professor Bloom: "Como Funciona o Prazer: a Nova Ciência do por que Gostamos Daquilo que Gostamos".
Há centenas de estudos e pesquisas sobre felicidade, mas a ciência do prazer é novidade e vive em evolução. Hoje temos mais prazeres que nossos ancestrais, diz o psicólogo.
Mas porque alguém paga quatro mil dólares por um relógio ou 48 mil dólares por uma fita métrica que pertenceu ao presidente Kennedy? Onde está o prazer nestas aquisições?
E mais: do canibal ao vegetariano, do sexo à educação, do esporte à religião. Afinal, onde se esconde o nosso prazer? O Milênio foi buscar com o professor Bloom as respostas para essas e várias outras perguntas. Veja em vídeo.
 

Cachoeiras e cavernas são atrações na Chapada dos Guimarães

 O visitante pode ir de avião até a capital do estado, Cuiabá. Para chegar na cidade são mais 60 quilômetros de carro

A Chapada dos Guimarães é uma das cidades turísticas de Mato Grosso. O visitante pode ir de avião até a capital do estado, Cuiabá. Depois são mais 60 km de carro pela rodovia Emanuel Pinheiro.
A cidade é pequena, mas oferece hospedagens confortáveis. Em hotéis a diária para o casal custa em média 300 reais. Ou em pousadas mais simples em 60 reais.
Os restaurantes oferecem refeições por preços que variam de 15 à 50 reais por pessoa. Pratos à base de peixe lideram os pedidos.
Para conhecer o lugar, os guias oferecem mais de dez roteiros diferentes. Um deles é o caminho das águas que fica dentro do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães.
Depois de dois quilômetros de caminhada já se ouve o barulho da água, mas antes de chegar às cachoeiras, o trajeto nos reserva algumas surpresas como a paisagem do Vale do Véu de Noiva.
"Aqui é legal que a gente consegue avistar uma parte dos paredões de chapada e uma diferença entre a mata que tem embaixo devido ao rio e o cerrado que é a parte mais alta, que predomina”, explica Ailton Assis, guia.
A cachoeira que mais brilha é a Véu de Noiva com cerca de 80 metros de queda d'água. Ela nasce do rio Coxipó, palavra que na língua dos índios bororos quer dizer "água que reluz".
Outra atração é a caverna Aroe Jarí, uma das maiores com a formação de arenito do Brasil. Com um salão enorme na entrada e dezenas de galerias, a caverna tem 1.400 metros de extensão.
Às duas horas da tarde, os raios de sol atingem a água que se acumula entre as rochas. Logo a piscina natural ganha uma coloração azulada.
A cidade de pedra é outra atração intrigante. No meio dos paredões, rochas esculpidas pela água e pelo vento. Estudos indicam que, no passado, essa região foi mar.
"Um dos maiores indícios são os blocos de arenito. O arenito geralmente ele demonstra as antigas regiões oceânicas e na chapada é comprovado através das conchas que também são encontradas nos sítios paleontológicos”, diz o guia.

 

Você acha que atira bem? Patrick Flanigan - Fastest gun in the West

domingo, 21 de novembro de 2010

Conheça as belezas de Corumbá - Mato Grosso do Sul

Mostra o turismo em torno da pesca no pantanal sul-matogrossense

Cláudio Weber Abramo fala sobre corrupção no Brasil

 

Cláudio Weber Abramo é diretor-executivo da “Transparência Brasil”, ONG que tem como objetivo o combate à corrupção. A organização fiscaliza a conduta de parlamentares e também a eficiência dos poderes brasileiros.
Jô começou a entrevista comentando que eles têm uma ligação familiar, já que o pai do Jô e o do Cláudio estiveram juntos num voo que ia para a França e teve de fazer um pouso forçado no Marrocos, devido a problemas técnicos.
Segundo Cláudio, a corrupção no Brasil tem jeito, já que ela tem causas que podem ser identificadas e combatidas. Jô disse que muitos defendem que a corrupção é um “mal necessário”, mas, segundo Cláudio, de uns 30 anos para cá, está comprovado que a corrupção é prejudicial à população e que as pessoas não toleram mais políticos com o perfil “rouba, mas faz”.
De acordo com Cláudio, o maior problema da corrupção no Brasil é o comportamento lento da justiça. Além disso, se o réu tem dinheiro, pode protelar seu julgamento por décadas. Cláudio encerrou a entrevista questionando a existência do Senado. Para ele, é uma casa sem função.

Tiririca - Dilema Mobral

sábado, 20 de novembro de 2010

Museu Imperial - Residencia de Férias da Família Imperial - Petrópolis

Ingrid Betancourt conta o que mudou depois de passar sete anos em poder das Farc



A cientista política e ex-senadora franco-colombiana fala também sobre o livro que acaba de lançar “Não Há Silêncio Que Não Termine”

Na conversa com o correspondente Rodrigo Bocardi, a cientista política e ex-senadora franco-colombiana Ingrid Betancourt conta como está sendo a experiência de retomar a vida depois de quase uma década de isolamento, fala das dificuldades de relacionamento com os filhos – agora adultos – e do espanto com o rápido avanço da tecnologia. Ela também fala da ligação entre as Farc e o tráfico internacional de drogas e do que percebeu da estrutura interna e das atividades das forças revolucionárias. Ingrid também dá detalhes do livro que acaba de lançar “Não há silêncio que não termine” e explica um assunto polêmico: porque entrou com um pedido de indenização milionário ao governo da Colômbia, o que gerou sérias críticas de Bogotá e da sociedade civil colombiana.

A cientista política e ex-senadora franco-colombiana Ingrid Betancourt foi campeã de votos nas eleições de 1998 com uma plataforma popular que juntava controle de natalidade, combate à corrupção e ao tráfico de drogas e políticas ambientais. Recebeu ameaças de morte durante todo o mandato. Foi sequestrada em fevereiro de 2002 enquanto participava da campanha para as eleições presidenciais. Passou sete anos em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc e foi libertada com outros 145 reféns em uma operação do exército colombiano em julho de 2008.

Quando surgiu o telefone de disco, a propaganda precisou ajudar

Quer conectar todos os seus eletrônicos sem o uso de fios? Saiba mais sobre o DLNA




E para que toda a tecnologia funcione bem, você precisará de um bom processador!
DLNA - Troca de mídias em diferentes equipamentos. Entenda a tecnologia

Que tal ver as fotos da última viagem na sua TV de 50 polegadas? Ou assistir aos vídeos que gravou com o celular no conforto da sua sala? Talvez ouvir aquelas músicas que estão no computador pela caixa de som mais potente, só que sem precisar carregar o computador para perto dela? Tudo isso é possível sem a utilização de fios. Basta que os equipamentos ofereçam essa tecnologia aqui, a DLNA. Hoje, mais de 5 mil produtos de diferentes marcas já trazem este selinho e você pode utilizar todos eles para conversarem entre si e transferirem conteúdo multimídia. "DLNA quer dizer Digital Living Network Alliance. Na verdade, é um padrão para que equipamentos distintos conversem e que você consiga transportar o seu conteúdo digital, que é muito presente na vida das pessoas hoje, de um aparelho para outro", explica Lucio Pereira, gerente de comunicação e propaganda da Sony Brasil.

Tudo funciona de uma maneira bem fácil. É, literalmente, ligar e utilizar. Na TV, o menu é bastante amigável. Basta você escolher o equipamento de onde deseja puxar o arquivo e pronto. Tudo aparece para você como num passe de mágica. Para o DLNA funcionar e conectar todos os aparelhos, é preciso que a residência tenha um roteador. Assim, TV, aparelho de som, celular... tudo se encontra e compartilha conteúdo. Mas para que tudo isso aconteça da melhor maneira, é necessário que o computador possua um bom processador. "Para isso, temos essa família nova, a Intel Core, e os processadores Core i5 e i7 são perfeitos para esse tipo de era multimídia", define Denise Pereira, gerente de marketing de consumo da Intel Brasil.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O dia em que um sorriso parou São Paulo

Uma inspiração muda tudo! O que aconteceria se 11 estações de rádio de São Paulo transmitissem simultaneamente um convite aos condutores a sorrir para o motorista ao lado?

Dr. Couri fala sobre transplante de célula-tronco em diabéticos



O endocrinologista Carlos Eduardo Barra Couri pertence a uma equipe multidisciplinar da USP de Ribeirão Preto, pioneira no transplante de célula-tronco em diabéticos. A pesquisa foi aprovada pela ANVISA e, no final do ano passado, também pela FDA nos Estados Unidos.
Couri explicou como é feito o transplante e quais os resultados até agora. O médico falou que o transplante funciona em pacientes com diabetes do tipo 1, e que, dos 25 transplantados, 21 nunca mais precisaram usar insulina. Ele também falou sobre os dois diferentes tipos de diabetes e os cuidados que diabéticos devem ter com os pés.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

General Newton Cruz revela momentos dramáticos do regime militar

O general mais polêmico do Brasil

Ex- chefe da Agência Central do Serviço Nacional de Informações (SNI) e ex-comandante militar do Planalto, o general Newton Cruz quebra o silêncio para fazer revelações sobre os bastidores de momentos dramáticos do regime militar. Aos 85 anos, ele diz por que se considera "bode expiatório" do regime militar e responde aos que o chamam de legítimo representante da "linha dura".

Sabe qual é um dos segredos da longevidade? A tecnologia!


ASSISTA O VÍDEO ACIMA


Estudos recentes afirmam que idosos norte-americanos que têm contato com a tecnologia vivem mais. Aqui no Brasil o acesso à internet pelo público da terceira idade não para de crescer

Além das oito décadas vividas, Victor e Neuza têm muito mais em comum do que se imagina. Há pouco mais de 10 anos, os dois descobriram o computador e, conseqüentemente, a internet, uma verdadeira revolução em suas vidas.
"A tecnologia agora já é fantástica. E olha que eu não sei o que vai acontecer daqui cinco ou dez anos", diz o aposentado Victor Vishnevsky. Já Neuza Guerreiro de Carvalo acredita que os idosos devem se adaptar ou irão se marginalizar. "Claro que eu tive que estudar um pouco, pois a gente fica mais lerda depois de adulto. O que a moçada faz em meia hora, eu levo duas, mas acabo fazendo", explica a aposentada.
Em estudos recentes, idosos norte-americanos – muitos com mais de 100 anos – contaram o segredo de sua longevidade. E, acredite, um dos pontos mais discutidos foi o uso de novas tecnologias. No Brasil, o acesso à internet pelo público da terceira idade ainda é tímido, mas não para de crescer. Por aqui, pesquisas dizem que apenas 11% das pessoas com 50 anos ou mais usam a web.
"A gente vê que aqueles que começaram a usar, por meiod e aulas ou aprendendo por algum familiar, depois gosta e aproveita muito. Realmente acho que se abre uma janela para eles", conta Cássio Bottino, Psiquiatra.
Um legítimo cigano, que nos anos 50 veio da China fugindo do regime comunista, Victor sofreu com vários problemas de saúde. Graças ao computador, ele já conseguiu publicar três livros e já até encontrou alguns familiares perdidos em redes sociais. "Eu fiz contato com meus parentes no Irã que eu não via há 60 anos", conta.
Neuza está conectada à Web desde 1997, quando teve seu primeiro PC. E apesar de ter uma conta no twitter e DOIS blogs, ela “odeia” ser chamada de blogueira...
"Eu comecei a escrever a história da minha vida meio no susto, mas à mão não tinha como. Máquina não existia mais então peguei um 486 e fui aprendendo por ensaio e erro", explica. Neusa também conta que achou muito bom conseguir intercalar textos. "Se esquecia de determinada coisa, colocava o cursor e acrescentava. Para mim aquilo era mágico".
Com estes belos exemplos está claro, nunca é tarde para experimentar, conhecer e descobrir o novo. "Para os idosos é um grande desafio, mas que traz grandes benefícios, justamente por eles terem que aprender coisas novas. Isso pode ser feito na terceira idade e não há nenhum impedimento nestas faixas etárias de aprender a usar o computador e ter um grande proveito disso", afirma o Doutor.
Usar tecnologia é bom, mas - não importa a idade –, é preciso saber como. Na rotina de Dona Neuza isso já está bastante claro e ela não se deixa ser "consumida" pelo computador. "Não uso [o computador] dia e noite e não tenho vício. Eu uso como uma ferramenta de trabalho", finaliza.
Não só o computador, mas toda tecnologia tem se revelado uma ótima aliada da terceira idade. Seja para estimular a memória, adquirir novos conhecimentos, escrever ou simplesmente se divertir e passar o tempo. Segundo Victor, o contato com o computador mundou a sua vida.

domingo, 14 de novembro de 2010

sábado, 13 de novembro de 2010

Santana - Smooth

Amazing 3D projection-projeção 3D, incrível

Descubra sua idade interior

Responda as perguntas e saiba ao final quantos anos, realmente, você tem. Muito interessante!!!
Clique no link abaixo:

http://www.idadeinterior.com.br/

Propaganda enganosa da Colheita Feliz

Peteca volta com tudo e promete ser a onda deste verão



Quem nunca jogou peteca quando era criança? A meninada adora! No Rio de Janeiro, a peteca está com tudo e promete ser a moda deste verão. E não é só criança que joga, não. Jovens, senhores, mulheres, todo mundo bate na peteca!

Por isso, o Mais Você mostrou como um dia de sol pode ficar ainda mais bonito quando se tem algo tão divertido pra fazer. O repórter Felipe Suhre fez o "esforço" de rodar pelas praias cariocas para saber quem são os apaixonados por essa brincadeira que virou esporte.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

A prova definitiva da má Influencia da TV

Fafá de Belém - Vermelho (Ao Vivo)



Fafá de Belém canta Vermelho, ao vivo, no Theatro da Paz, em Belém, extraído do primeiro DVD ao vivo da cantora!

Mamãe gorila amamenta seu filhote

Esta foto, feita nesta terça-feira (9), no Franklin Park Zoo, em Boston, nos Estados Unidos, poderia servir para uma campanha de amamentação: “A mamãe gorila dá uma lição da natureza – ‘amamenta seu filhote’”.
Enquanto Kiki come uma cenoura, o bebê, nascido há uma semana (dia 3 de novembro), mama. Kiki e seu parceiro, Kitome, têm outras duas filhas (Kira, de 11 anos, e Kimani, de 5). O nome do novo membro da família será definido por um concurso.
(Foto: AP Photo/Mary Schwalm)
Via Revista Época

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Conheça truques para conservar as frutas

 


Com a chegada do calor, o consumo de frutas aumenta, mas elas também estragam mais rápido. Misturar as frutas é o erro mais comum. Isso porque elas liberam gases e podem acelerar o apodrecimento.

Lojas antigas do Rio de Janeiro

Satisfação garantida ou seu dinheiro de volta!
Esse slogan das lojas Sears traduz bem uma época. 
Vamos fazer um passeio pela cidade e ver quantas lojas já entramos e já saímos, conhecemos, gostamos, e hoje não existem mais. O sucesso não tem tempo de validade.



Via Blog Rioquemoranomar

Diogo Nogueira - Espelho - Ao Vivo e COMPLETO

Protesto pelos problemas com o Enem



Para jovem, erros são 'obra do demônio'
Em meio a tanta revolta e suspense gerados pelos problemas com o Enem, um vídeo de protesto feito por um estudante de Fortaleza e divulgado no YouTube está gerando boas risadas. Num discurso de dentro de um banheiro, o suposto vestibulando, que se identifica como Ghór, faz um desabafo entusiasmado e uma série de críticas.

A certa altura, solta: “Isso é um pecado, não é de Deus. Deixar 4 milhões de pessoas na mão? Isso é obra do demônio, sabiam?”.

O aluno abre o vídeo dizendo: “Um ano estudando pra fazer a droga da prova Enem, com 180 questões, e a prova é cancelada? Sabe o que é isso? E não foi só comigo, não. São 4 milhões de pessoas. Não são 4 milhões de vagabundos, de drogados, de prostitutas, não.

São 4 milhões de estudantes que querem ser alguma coisa na vida”.

Logo depois, usa uma palavra desconhecida do dicionário para protestar: “Isso é uma eroticidade, e das grandes”.

Em seguida, diz que abriu mão de viajar para o Rio e ver de perto o elenco de “Crepúsculo”, cujos atores principais estavam no Rio esta semana. “Deixei de viajar pro Rio pra ver meus ídolos do ‘Crepúsculo’. E aí? Vai dar em quê? Quem vai curar esse dano psicológico?”.

Em sua página no Twitter (www.twitter.com/ghor_), o estudante, que tem 3,6 mil seguidores, identifica-se como ator e humorista. Por conta disso, não se sabe ao certo se o protesto é sincero ou apenas atuação.
 

MAIOR testículo do reino animal


Cientistas descobriram uma espécie de grilo, Platycleis affinis, cujos testículos respondem por 14% de seu peso, a maior porcentagem já registrada no reino animal e equivalente a um homem com testículos pesando 10 quilos. Os testículos grandes produziriam grandes quantidades de esperma para aumentar as chances de fertilização.
Fonte jornal O Globo

Tobby entrevista - Dilma Rousseff

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

IMAGENS DO PASSADO

Tecnologia está prejudicando a vista de adultos



Crescem queixas da Síndrome da Visão do Computador nos EUA
Ela já tem nome e sintomas descritos, mas ainda costuma ser ignorada nos consultórios.
Por causa das novas tecnologias, cresce cada vez mais o número de adultos americanos que procuram oftalmologistas com queixas típicas da chamada Síndrome da Visão do Computador, caracterizada por dores de cabeça, vista embaçada, cansaço ocular e dores no pescoço, mostra reportagem publicada no “The Wall Sreet Journal”.
Cerca de 80% dos adultos americanos passam mais de três horas por dia em frente ao computador.
Outros ainda usam notebooks, smartphones, videogames portáteis e tablets como o iPad, e acabam exigindo ainda mais dos olhos. Segundo dados do Instituto Nacional de Saúde e Segurança Ocupacional dos EUA, a síndrome atinge 90% das pessoas que ficam mais de três horas por dia no computador.
O oftalmologista americano Jeffrey Anshel, presidente da Corporate Vision Consulting, alerta que o excesso de novas tecnologias está piorando nossa vista. Os exames, porém, ainda focam nos principais problemas de visão, como miopia e vista cansada. E como ainda não existem padrões para medir a nova síndrome, os médicos acabam achando suas próprias maneiras de diagnosticar o distúrbio.
Uma forma de minimizar o problema é tirar momentos de descanso a cada hora no computador e lubrificar os olhos com frequência, piscando ou com colírios tipo lágrima. Ajustar o monitor também ajuda.

Fôlego à prova de idade


Novos estudos revelam como exercícios atenuam problemas do envelhecimento
Quanto mais cedo se começa a praticar exercícios, melhor.

Mas mesmo quem toma essa decisão tardiamente, depois dos 60, só tem a ganhar; não só em força como em capacidade cardiovascular. É o que confirmam dois novos estudos. Um deles foi realizado na Clínica de Medicina do Exercício (Clinimex), no Rio, e avaliou por quase dois anos os efeitos da musculação em 175 pessoas (130 homens) acima de 63 anos. O outro é um trabalho americano com sedentários acima de 65 anos. Os resultados de ambos são evidentes: a atividade física faz bem em qualquer idade e mesmo quem começa tarde é beneficiado.

No estudo da Clinimex — apresentado na 7ª Conferência Mundial em Treinamento de Força, na Eslováquia — o objetivo foi saber se a musculação com ênfase em velocidade rápida no movimento atenuaria ou reverteria a perda natural de força com o envelhecimento.

Segundo o professor de educação física Roberto Macedo Cascon, coautor, os participantes tiveram um ganho de força de até 7% ao ano.

— Considerando que a média anual de perda de força com o envelhecimento é de 2%, a musculação a longo prazo atenua ou até reverte esse processo — diz. — Esse ganho não é cumulativo, explica Macedo, sendo maior nos primeiros meses do programa.

Os voluntários fizeram exercícios de musculação convencional (incluindo supino, extensora e puxada), em l 2 séries de cinco a oito repetições.

A diferença é a ênfase na velocidade rápida no movimento do exercício, diz o fisiologista.

— A força e a potência dão autonomia, melhorando a qualidade de vida. Além disso, o idoso fica menos vulnerável a quedas — afirma.

Para essa faixa etária, Macedo recomenda, de duas a três vezes por semana, uma média de 8 a 12 exercícios que envolvam os braços e as pernas; em duas a três séries, de cinco a oito repetições com carga de 60% a 80% da máxima. E enfatizando a alta velocidade de execução, com orientação de professor.

Já o estudo americano — publicado na revista “Circulation” — avaliou os benefícios cardiovasculares de um ano de treino intenso e progressivo em sedentários acima de 65 anos. Os autores observaram que os idosos apresentaram melhora da função ventricular. Isso significa que o coração deles se tornou mais apto a responder as exigências durante o esforço e com menor sobrecarga, explica o professor de educação física Marcelo Cabral: — Isso é um importante indicador de saúde cardiovascular.

Cabral alerta que esse foi um estudo controlado, no qual todos tiveram seu estado de saúde bem avaliado para assegurar que eram saudáveis e que o risco na execução do exercício seria baixo na pesquisa.

— Ninguém nessa idade pode fazer esforço intenso antes de uma avaliação cardiológica — reforça.

Outros estudos, lembra Cabral, comprovam os benefícios da prática de exercícios na capacidade de relaxamento e dilatação dos vasos para ajustarem o fluxo sanguíneo.

Além disso, a atividade física diminui a quantidade de triglicerídeos e aumenta o nível de colesterol HDL, a fração boa. Ele cita pesquisa na “British Medical Journal”, mostrando que indivíduos que só começaram a se exercitar depois dos 50 anos tiveram redução na taxa de mortalidade semelhantes ao grupo que se exercitava há mais tempo.

Portanto, vale muito a pena começar a se exercitar em qualquer fase da vida, insiste Cabral. Ele recomenda, para quem tem mais de 60 anos — e depois da liberação do médico —, a prática de atividade aeróbica, como caminhar e andar de bicicleta.

Esses exercícios podem ser iniciados por idosos saudáveis, de duas a três vezes por semana com duração de 20 a 30 minutos, em intensidade leve e progredindo para cinco a sete dias na semana, com duração de 30 a 60 minutos cada dia. Depois, sempre com orientação de profissional, podese elevar a intensidade em alguns dias da semana, por pelo menos mais alguns minutos.
Via caderno Saúde do jornal O Globo

A Bibra diz...

Um tempo pra nós dois

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Nova Rodovia Rio Petrópolis, assista ao vídeo



Para os que se preocupam com desenvolvimento da região, o filme anexo é um belo presente. Representa a grande promessa da CONCER com o compromisso  de atender às exigências dos planos de crescimento para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016.
Assista o filme. São 08 minutos que prenderão sua atenção, numa viagem entre Duque de Caxias e Petrópolis, conhecendo a promissora região.
Os  moradores de Duque de Caxias e Petópolis bem como os usuários da rodovia Rio Petrópolis vão gostar de assisti-lo, pedindo a Deus, vida e saúde para testemunhar o progresso prometido.

Bobby Mcferrin improvisation with Richard Bona

Brincar faz toda a diferença


Atividades lúdicas despertam o afeto e melhoram a convivência

Jogar queimada, correr, pular corda, empinar pipas, brincar de casinha: é difícil encontrar alguém que não se lembre das intermináveis horas de infância dedicadas a essas brincadeiras. Cada vez mais em desuso, seja em função das novas tecnologias ou da equivocada ideia de que não passam de perda de tempo, as atividades lúdicas são essenciais para o desenvolvimento da capacidade afetiva do individuo. Figuram-se, ainda, em um dos principais meios para conhecer e explorar o mundo ao nosso redor.
A palavra brincar vem do latim vinculum, que significa laço ou união. De acordo com Marilena Flores Martins, autora de Brincar é Preciso e presidente Associação Brasileira pelo Direito de Brincar, alguns estudos neurológicos atestam que o ser humano não nasce com a capacidade de sentir empatia e compadecer com a dor do próximo. Educadora há 40 anos, ela afirma que o contato lúdico faz com que a criança desenvolva a compaixão e treine para os desafios da vida real.
“A qualidade do vínculo entre adulto e criança influi significativamente na estruturação da personalidade desta última, afetando a formação da autoestima e o desenvolvimento de sua resiliência”, afirma Marilena. Durante a brincadeira, as crianças se tornam mais tolerantes e, quando perdem o jogo, aprendem a lidar com a frustração, por exemplo. “Isto faz com que incorporem valores e desenvolvam a empatia e a cooperação, essenciais para uma cultura de paz”, explica a educadora.  
Hora de brincar 
Apesar de todos os benefícios cognitivos e emocionais que a brincadeira proporciona, a cada dia que passa, as crianças são mais privadas dessa etapa. A ideia de que ‘brincar é perda de tempo’ é uma das razões da alta incidência distúrbios que antes acometiam apenas os adultos, como ansiedade e depressão. “Os pais nutrem grande preocupação com o futuro profissional de seus filhos. E essa preocupação com um futuro ainda incerto, muitas vezes, prejudica o momento presente.”
Para a educadora, é preciso respeitar o ritmo e o desenvolvimento da criança no ‘tempo de brincar’. “Os pais precisam saber que brincar desenvolve todas as habilidades e qualidades necessárias para um desempenho com sucesso, seja na vida pessoal ou profissional daquela criança”, explica. As atividades lúdicas despertam quatro importantes pilares para a vida em sociedade: o afeto, advindo de experiências positivas, como aprender a amar; o estímulo, apreendido por meio de experiências sensoriais; a atividade, que desenvolve a habilidades para viver em grupo e atingir objetivos; e a estrutura, pautada na confiança em si e no outro.
A brincadeira faz parte do crescimento e assegurar este direito é uma verdadeira prova de amor. As crianças necessitam de diferentes oportunidades, de formas diversificadas. “Brincar faz com que as crianças mudem cada estágio do seu desenvolvimento naturalmente, permitindo-lhes fazer amigos, resolver dificuldades, seguir seus instintos, pensar e aprender com os outros”. Enquanto brincam, elas percebem os limites naturalmente, tanto dos companheiros de brincadeiras, quanto dos diferentes grupos sociais.
Mas não pense.
Carolina Beu 
Via abiliodiniz.uol.com.br